Energia solar em colégio: educação na prática sobre economia e sustentabilidade

Avalie este Artigo

Colégio Evangélico de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, instala sistema de painéis fotovoltaicos e é exemplo prático para alunos e pais

Energia solar em colégio: educação na prática sobre economia e sustentabilidade

O tradicional Colégio Evangélico, com mais de 100 anos de história, decidiu inovar em Jaraguá do Sul, na região norte de Santa Catarina, e avançar em termos de sustentabilidade. Desde novembro de 2017, o colégio ensina educação ambiental com iniciativas práticas, a partir da instalação de painéis fotovoltaicos em toda a estrutura da escola.

— Por ser uma energia limpa, isso nos permite trabalhar a conscientização dos nossos alunos, e por extensão as famílias, mostrando que temos alternativas ao nosso alcance para produzirmos sem poluir o planeta — destaca o diretor geral, Leopoldo Fenner.

O sistema, com 260 placas de alta eficiência e três inversores instalados, é exemplo prático principalmente para alunos do Ensino Médio, que estudam mais afundo sobre energias renováveis. Entretanto, esse não é o único benefício da instalação.

Planejamento e projetos detalhados

O diferencial de trabalhar com empresas especialistas e que têm experiência de mercado é ter um projeto planejado com proximidade de resultados reais. O sistema reduz até 95% do consumo de energia elétrica e tem previsão de retorno do investimento entre três e cinco anos, além da garantia mínima de 80% de eficiência durante mais de 25 anos.

O diretor Leopoldo Fenner afirma que foram necessários estudos e pesquisas para, então, reconhecer os reais benefícios da redução na conta de luz com a instalação dos painéis.

— Logicamente, tínhamos alguma noção do funcionamento da produção da energia a partir de placas fotovoltaicas, mas precisávamos nos apropriar de mais informações relacionadas aos equipamentos, investimentos necessários e tempo de retorno pelo benefício na redução da conta de luz a ser paga no final de cada mês.

Com os dados em mãos e a certeza de que seria um bom investimento, considerando inclusive a educação ambiental dos alunos e a possibilidade de trazer benefícios para toda a comunidade em que a escola está inserida, foi dado início ao processo de negociação e instalação dos equipamentos.

Fonte:https://g1.globo.com

Comentários Facebook