Energia Solar. A Energia do Futuro!

Número de veículos elétricos deve dobrar em 2020 com a ajuda da energia solar

Alternativa para abastecimento será em pontos de recarga com sistemas fotovoltaicos

 

O ano de 2020 será crucial para o desenvolvimento do mercado de carros elétricos no Brasil, que hoje conta com pouco mais de 20 mil veículos. De acordo com a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), a frota de veículos elétricos deve dobrar neste ano, entre automóveis leves e comerciais, elétricos puros e híbridos – que contam com um motor de combustão interna e outro a eletricidade.

“Este ano será o ‘marco divisor de águas’, com o segmento vendendo outras 20 mil unidades. O veículo elétrico é uma tendência mundial. Entre as vantagens desse tipo de automóvel em relação aos que usam combustíveis fósseis estão o menor impacto ambiental, redução da emissão de ruídos e um custo de combustível (eletricidade) mais acessível”, afirmou o presidente-executivo da entidade, Ricardo Guggisberg.

Com o aumento da frota, surge o desafio da maior disponibilidade de pontos de recargas. Segundo a ABVE, a quantidade ainda é a limitada, com cerca de 250 a 300 estações de recargas espalhadas pelo País.

Uma alternativa para reduzir de fato os impactos ao ambiente e tornar os carros elétricos realmente sustentáveis é o investimento em geração de energia solar como a melhor opção, principalmente por sua praticidade.

Pesquisadores de Engenharia Automotiva da Universidade Livre de Berlim constaram que carros elétricos abastecidos com energia limpa e renovável emite ao longo de sua vida útil cerca de seis vezes menos CO2 do que veículos comuns.

Uma opção de recarga são os estacionamentos abastecidos por energia solar. Ou seja, o veículo pode ser recarregado na própria garagem. No caso de veículos elétricos particulares, o futuro será o abastecimento na própria residência que possua geração de energia solar, ligando-o a uma tomada do local.

O resultado também será praticamente o dobro do que deve fechar 2019 (de janeiro a novembro do ano passado, foram comercializados 9.438 veículos elétricos no País). Em 2019, o segmento levíssimo (patinete e bicicleta elétrica) teve um salto bastante significativo.

O segmento leve (carros convencionais) também recebeu incentivos para crescimento, como a redução do IPI de até 25%, dependendo da categoria e a isenção de imposto de importação sobre veículos puramente elétricos e híbridos, que, antes, era de 35%.

Segundo Guggisberg, apesar dos incentivos, o preço dos veículos elétricos ainda é um fator que precisa ser superado para popularizar o produto. “A diferença de preço em relação aos convencionais ainda influencia bastante na compra desse veículo”, diz.

Numa comparação básica, um automóvel de porte médio, hoje, custa entre R$ 50 mil a R$ 60 mil. Esse mesmo modelo, na versão elétrica, vale R$ 140 mil. “Com exceção do Corolla híbrido flex, da Toyota, ainda não há produção de veículos elétricos no País”, ressalta.

No quesito custo, apesar do preço ser um pouco “salgado”, a eletricidade é quatro vezes mais barata do que o custo da gasolina, por quilômetro rodado, de um veículo convencional. Lembrando que fatores como autonomia e tempo de recarga dependem do modelo do carro.

Fonte: https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-solar

Orçamento: https://www.kerosol.com.br/energia-solar-fotovoltaica/

×

Hello!

Click one of our representatives below to chat on WhatsApp or send us an email to [email protected]

× Como podemos ajudar?